Mãe de menina estuprada pelo pai era vítima de violência: ‘Estava apaixonada’

Olha a confusão que está a cabeça dessa criança de 10 anos, estuprada pelo pai, achou que estava apaixonada. É muito triste e chocante!

O caso aconteceu no litoral de São Paulo, no Grajaú. A mulher nunca pensou na possibilidade do marido não ser um homem respeitoso com os filhos, ela descobriu o absurdo que o próprio pai biológico fazia com a menina de 10 anos, ele a estuprava. A mãe descobriu o crime que o marido vinha praticando dentro de casa, quando o irmão da menina de 4 anos disse para a mãe o que tinha visto no banheiro, o pai com a irmã, nesse caso, abusando da menor, a filha.

O ato do abuso sexual presenciado, por acaso presenciado pelo menino, foi descoberto no dia 30 de maio, mas a divulgação do caso é recente. O homem é auxiliar de serviços gerais, tem 30 anos e, mesmo após a mulher, 25 anos, dona de casa, ela contou que ficou chocada e o marido está solto, foragido, ainda não tinha sido encontrado até o fechamento dessa matéria.

Casados há 12 anos, a esposa deixa claro que, jamais poderia desconfiar de tal comportamento do marido. Eles têm 4 filhos juntos, uma menina de 10ª nos, a que foi abusada, um menino de 8 e outro de 4 anos, e também a caçula de 11 meses.

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de Guarujá investiga o caso que está em segredo de justiça, enquanto isso, a menina está sendo tratada com apoio psicológico.

A mãe está ansiosa para que a polícia encontre o marido e o prenda, disse também que, ao conversar com a filha descobriu que o estupro aconteceu muitas vezes.  A filha não contou antes porque teve medo do pai.

“Ele com os filhos sempre foi carinhoso. Até se eu brigasse com as crianças ele achava ruim. O motivo era briga entre mim e ele. Por isso não tinha motivo para desconfiar dele com as crianças”, disse a mãe da menina e prosseguiu; “Quando tinha 8 anos ela teve a primeira convulsão na escola. Ela falou que foi mais ou menos nessa época que ele já fazia, mas certeza assim eu não tenho. Antes eu não sabia o motivo da convulsão, hoje eu já entendo”.

Nessa época ele só vivia nos bares bebendo. Chegava só no outro dia, aí ele mudava o comportamento do nada. Aí depois vinha pedir desculpas, falava que me amava e que ia mudar”.

“Até com a minha filha no colo ele me bateu”. “Eu esperava de tudo dele, menos isso com a própria filha”.

Sobre as constantes brigas a mulher falou; “Às vezes era motivo de ciúmes, às vezes porque a gente não estava tendo relação e eu pensava que ele tinha mulher na rua. Às vezes era porque não tinha nada em casa para as crianças comerem. Eu sempre voltava com ele. Era apaixonada por ele, não queria perder minha família pensando que ele ia mudar”.

G1


Qual sua opinião? Escreva abaixo👇

Written by Marina Souza

Olaa pessoal! Sou a Marina, amo escrever sobre maternidade, família e noticias de ultima hora, com intenção de colaborar com a sociedade e a família. Amo meus filhos e tenho uma gatinha preguiçosa. Ah ja ia me esquecendo, sou blogueira ha 12 anos.

A vida de um homem se transforma quando ele tem uma filha…

‘Tenho vergonha de ir à praia’, diz Paolla Oliveira