Marca de beijo deixada por menina que morreu é preservada por peritos

- Anúncio -

A morte de uma menina de 4 anos, que morreu enquanto dormia, é um caso intrigante para a polícia, por isso peritos estão investigando para descobrir o que realmente aconteceu, para ter provocado a trágica morte da criança.

Jillian Caslick morreu em março deste ano, a menina foi à escola, voltou para casa sem apresentar alterações, mas depois de alguns dias, ela teve duas convulsões e febre alta, segundo notícia da Segundo a London Free Press. A família mora em Ontário, no Canadá,onde a menina morreu.

“Nós estávamos sempre de olho nela por causa das convulsões febris. Desconfiamos que ela teve morte súbita e inexplicável por epilepsia. Eu a beijei antes de sair para o trabalho e nunca poderia imaginar isso”, contou a mãe muito abalada, Rebekah.

- Anúncio -

“Meu coração estava a mil, era um risco tão grande. Ele levou todo o tempo necessário para garantir que o beijo fosse preservado e fotografado. Isso foi feito de maneira profissional e com tanta gentileza. Fiquei pasma. Chorei”, disse a mãe.

A mãe da menina e o marido, perceberam uma mancha na janela, a mancha era a marca de um beijo. Foi então que os pais decidiram preservar aquela marca. Pressionaram uma fita adesiva sobre a marca, para guardar como lembrança da filha, mais tarde publicaram nas redes sociais, compartilhando o luto, mas também o último beijo da menina deixado na janela, um modo de preservar a memória.

- Anúncio -

Para ajudar a descobrir a causa da morte, uma amiga da família, Kimberley Vander Schelde, entrou em contato com a polícia. Os agentes conseguiram encontrar outra marca no quarto da menina, pois a  marca do beijo na janela que os pais preservaram, não seria possível ser usada para testes no laboratório que ajudasse nas evidências.

Outra marca de beijo está sendo analisada pelos peritos. A amiga da família agradeceu aos policiais  o empenho escrevendo na rede social; 

“Obrigado ao detetive que veio à casa e ao departamento por ir além do chamado do dever nestes tempos sem precedentes. Todo mundo que conhece a família ou que ouviu falar da morte de Jillian, desejou que pudéssemos fazer ou dizer algo que aliviasse a dor, mesmo que fosse mínima. Seu presente para eles é um presente para todos nós”, 

Sandasha Bough, a porta-voz da polícia de Londres, disse: “Esse policial foi capaz de fornecer um tesouro tão bonito a essa família. Esse é o lado do policiamento que muitas vezes passa despercebido. Todos fazemos parte desta comunidade. Não trabalhamos apenas aqui, vivemos e criamos nossas famílias aqui também”.

Créditos: Crescer

- Anúncio -

Qual sua opinião? Escreva abaixo👇
- Anúncio -

Qual sua opinião?



Urubus invadem Equador atraídos por cheiro dos corpos das vítimas do coronavírus em hospital de Guayaquil

Carla Zambelli divulga conversas que teve com ex-ministro Sergio Moro no app